Receba as atualizações do blog em seu Email

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Os 10 melhores bateristas de todos os tempos #9 Joey Jordison (Slipknot)



Fala galerë, hoje venho trazer a segunda parte do post sobre os 10 melhores bateristas de todos os tempos e vou falar um pouco sobre o Joey Jordison..
Para mim ele é um baterista muito foda e por isso está entre os 10 melhores...
Bem vamos deixar de papo e vamos ao que interessa....

Jordison nasceu no hospital Mercy, em Des Moines, Iowa, em 26 de abril de 1975. Ele cresceu em uma área rural fora do Waukee. Ele teve interesse na música desde a idade na escola, atribuindo-o para a influência de seus pais, "eles sempre me deram um sábado na frente do rádio, em vez da televisão." Ele começou a formar sua primeira banda, no ensino fundamental. Tocou guitarra até receber o seu primeiro kit de bateria como um presente de seus pais aos oito anos de idade. Num certo periodo, os pais de Jordison se divorciaram, ele e suas duas irmã s mais jovens permaneceram com sua mãe. Jordison, declarou ele sentiu uma súbita responsabilidade de ser o homem da casa, e esta responsabilidade transformou-o em uma pessoa mais madura.

Jordison disse que no seu tempo na escola: "Eu era muito introvertido e não tinha muitos amigos." Suas notas não eram das melhores devido ao seu foco na música. Apesar de estar envolvido em vários projetos, ele fez a sua primeira banda chamada Grave quando ele tinha 15 anos, ele formou o Modifidious, na qual ele tocou bateria, mais tarde ele descreveu-as como "tenho velocidade e por isso vou tocar numa banda de Thrash Metal." A banda de Jordison ajudou a abrir novos caminhos, para tocar ao vivo em multidões de apoio com bandas locais, incluindo Atomic Opera, que apresentou James Root e chefes do On The Wall, que incluiu Shawn Crahan. Depois de uma multiplicidade de mudanças, incluindo a presença de Craig Jones e Josh Brainard que viria a aparecer no Slipknot, a banda lançou dois demos em 1993.

Depois de sair da escola ele foi contratado para trabalhar em uma loja de discos local chamada Musicland. No entanto, em Março de 1994, após uma recomendação de um amigo, ele conseguiu um emprego numa garagem Sinclair em Urbandale trabalhando no turno da noite. Jordison preferiu o turno da noite, porque ele deixou a sua semana livre e ele poderia associar-se com os amigos e ouvir música enquanto trabalhava. No início de 1995, desfez o Modifidious devido à mudança no interesse de thrash metal e death metal. Na sequência, Jordison juntou uma banda local chamada The Reject's como guitarrista, com quem tocou apenas em shows. Ele também foi envolvido em uma banda chamada Anal Blast com Paul Gray, no entanto, isso foi formada em parte como uma piada. Gray também tentou recrutar-lo para outra banda, Body Pit, mas ele declinou o convite para permanecer no The Reject's.

Slipknot

Em Setembro de 1995, Joey foi abordado enquanto estava trabalhando, lhe ofereceram uma posição em um novo projeto chamado The Pale Ones. Ele aceitou o convite. Referindo-se a este momento, ele conta sobre o seu esforço para não sorrir. Ele enfrentou uma série de preconceitos a respeito do Slipknot e sua entrada na banda foi bastante discutida pelos membros já definidos. Atualmente ele é considerado um dos mais dedicados membros e está envolvido na maioria dos trabalhos, incluindo criação e produção, além de desenvolver projetos com a gravadora (Roadrunner Records) e é declaradamente o "primeiro a chegar e o último a sair." É o mais baixo integrante da banda com 1,63 m de altura. Costumam chamá-lo de "Pequeno Notável".

Joey tem preferência pela guitarra em relação a bateria.

Ao longo de sua carreira vem fazendo participações especiais para várias bandas, entre elas Avanga, The Havenots, Anal Blast, The Regects, Satyricon, American Head Charge, Ministry, Metallica… entre outras. Em 2007, esteve como baterista temporário da banda Korn (acompanhando-os, inclusive, no palco da edição Rock Am Ring daquele ano).

Em 2008 retomou o trabalho com o Slipknot para as gravações do quarto CD All Hope Is Gone.

Joey é o #1 (numeração correspondente aos integrantes do Slipknot, variando entre 0 e 8 - total de 9 integrantes). Usa uma máscara kabuki-japonesa branca, bastante simples e sem expressão. Durante o Ozzfest de 1999, Joey fez algumas pinturas que deram mais vida à sua máscara. A banda mantém a tradição de trocar suas máscaras, incluindo os uniformes, a cada álbum lançado.

Baixinho e falador, o baterista do Slipknot diz que a falta de expressão da sua máscara combina com ele. Não importa se ele está alegre ou puto da vida, ninguém saberá qual sentimento está por trás dela. Não gosta de brigas devido a sua estatura desfavorável. Admira muito Ross Robinson e afirma que o cara é completamente louco. Joey diz que durante as gravações de um álbum do Slipknot, Ross jogou um vaso nele. O vaso errou Joey e acabou acertando a parede e os pedaços se espalharam por toda parte… inclusive na sua boca. Escolheu o número 1 pois esse número significa "começo" e, na maioria das vezes, ele quem coloca o primeiro "tijolo" para iniciar a "construção" das músicas. Ele diz ser primo de Marilyn Manson devido a sua grande amizade. Durante a gravação de "People = Shit" quebrou 5 pares de baquetas. Ele quem criou o termo "Maggot" (vermes - referência aos fãs do Slipknot).

Murderdolls

Enquanto fazem shows no Ozzfest em 2001, ao mesmo tempo que apoia o Slipknot, Jordison reuniu o Tripp Eisen, depois de Static-X, e os dois discutiram formando um lado projetoso.  Em 2002, Jordison reavivou sua banda a The Reject's, renomeando-lhes com o nome Murderdolls. Jordison tornou-se o guitarrista e ele contratou Wednesday 13, do Frankenstein Drag Queens From Planet 13, para tocar baixo. Acabaria por deslocar-se para vocalista, enquanto Ben Graves, Eric Griffin, Acey Slade e completou a banda. A banda assinou com a Roadrunner Records e lançaram um EP intitulado direito de permanecer violentos. O Murderdolls retornaria em Agosto de 2002, com sua estréia álbum Beyond the Valley of the Murderdolls. A banda utiliza filmes de horror, incluindo o Sexta-feira 13 e A Noite dos Mortos Vivos, como uma inspiração de suas letras. Em 30 de outubro de 2002, o Murderdolls fez uma aparição em um episódio de Dawson's Creek, intitulado "Living Dead Girl" (depois nenhum CD foi lançado, até 2010). E após terem lançado o álbum Women and Children Last, ganharam o prêmio pela Metal Golden Golds Awards de "Melhor retorno do ano (2011)".

Outros esforços musicais

Em 2001, Joey fez uma remix de "The Fight Song" do Marilyn Manson, alguém usou sua máscara aparecendo em um vídeo para a música de Manson da capa de "Tainted Love". No final do ano Manson revelou que Jordison tinha vindo a trabalhar com ele em seu novo álbum, o intitulado The Golden Age of Grotesque, Jordison trabalhava como guitarrista porém, ele não aparece no álbum. Em 2004, Joey apareceu no álbum House of Secrets do "Otep", na percussão de seis faixas para o álbum. Em 2008, Jordison apareceu no álbum dos Puscifer's o "V" os for Viagra. E ainda foi um dos "4 Capitães" da banda RoadRunner United, junto com Dino Cazares, Robb Flynn e Matt Heafy.

1 comentários:

Kkkkk
o joey 'e da minha altura.... E eu sou mulher...

Postar um comentário